Buscar
  • Ricardo Welbert

Associação pretende contestar decisão da Prefeitura de Divinópolis em administrar Vila Vicentina

Decreto determinou que local fosse administrado pela Secretaria de Assistência Social e não mais pela Sociedade São Vicente de Paulo

Imagem de arquivo mostra a fachada do asilo (Foto: PMD/Divulgação)

A presidente interventora do asilo São Vicente de Paulo (Vila Vicentina), Marilene Aparecida Melo Paulino, disse nesta quinta-feira (23), em entrevista ao portal "G1", que ela e a equipe da Sociedade São Vicente de Paulo estudam formas de contestar a Prefeitura de Divinópolis sobre a decisão de administrar o local. Na terça-feira (21) a Prefeitura publicou uma requisição administrativa após irregularidades encontradas não terem sido sanadas, o que culminou na interdição do local desde abril.


1️⃣ Participe do grupo de notícias 1 da MAIS! no WhatsApp


O decreto de requisição administrativa determinou que a partir da publicação do documento, o local fosse administrado pela Secretaria Municipal de Assistência Social e não mais pela Sociedade São Vicente de Paulo. A nova frente administrativa já está em vigor.


Irregularidades


A decisão de publicar o decreto ocorreu após as 17 irregularidades sanitárias e assistenciais não terem sido sanadas no prazo de 30 dias. A presidente interventora disse que a maior dificuldade em sanar os problemas foi o prazo dado, que, na avaliação dela, foi insuficiente.


2️⃣ Participe do grupo de notícias 2 da MAIS! no WhatsApp


"Tivemos esse prazo para sanar alguns problemas. Entre eles reintegrar os idosos às suas famílias, o que leva tempo. Além disso, no caso daqueles que não têm parentes, tínhamos que procurar outras instituições, encontrar vagas e tudo isso leva muito tempo. Por isso estamos estudando como fazer essa contestação e voltar com a administração do espaço. Temos expertise para isso e vamos reunir provas concretas de que temos condições de administrar a Vila Vicentina. Temos até o dia 31 para analisar e criar estratégias para que a gente conteste esse decreto", pontuou Marilene Aparecida Melo Paulino.


Com informações do "G1"

9 visualizações0 comentário