top of page
Buscar
  • Foto do escritorRicardo Welbert

Cobra presa em pacote de encomenda causa susto em Oliveira

Médica percebeu animal quando tentou cortar o lacre da embalagem com uma tesoura


Cobra estava presa a fita na embalagem (Foto: Arquivo pessoal)

Uma médica da cidade de Oliveira levou um susto nesta segunda-feira (26) quando recebeu uma encomenda pelo correio. No pacote que Gilma de Fátima recebeu havia uma cobra.



Em entrevista ao portal "G1" ela contou que foi um baita susto, até porque a secretária dela chegou a colocar o pacote debaixo dos braços. Elas poderiam ter sido picadas.


Fátima explicou que havia comprado toalhas descartáveis de mesa pela internet. Ela percebeu que a cobra estava na caixa quando tentou cortar o lacre da embalagem com uma tesoura.


A médica e o marido conseguiram colocar a cobra em um recipiente. Eles fizeram várias fotos e vídeos pra registrar o caso e depois a soltaram em uma área de mata.



Pelas imagens, o biólogo e doutor em zoologia Henrique Costa identificou a cobra como falsa cobra-coral.


"Por causa da barriga branca, a imagem nos permite ver claramente a região ventral, a barriga do animal, e essa barriga branca é uma característica que não aparece em nenhuma das corais verdadeiras que temos no Brasil", afirmou.

A recomendação é, ao ver uma cobra coral, nunca manusear e chamar o Ibama, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar de Meio Ambiente ou quem for o responsável local para fazer a captura segura.


É preciso ficar atento para saber se a cobra encontrada é uma coral verdadeira ou uma falsa coral. A primeira é peçonhenta e provoca sérios riscos quando ataca humanos. Já a falsa não é peçonhenta e não está envolvida com acidentes graves, mas ainda oferece risco a humanos.



A loja que vendeu o produto para a médica declarou que lamenta o ocorrido e que não tem condições de saber em que momento o réptil se alojou embaixo da fita adesiva que se destacou do papelão que embalava a mercadoria e que só tem a certeza de que não foi nas dependências da empresa.


Com informações do "G1"

89 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page