top of page
Buscar
  • Foto do escritorRicardo Welbert

Suspeitos de extração ilegal de minério de ferro em Onça de Pitangui são presos

Documento autoriza formação de pastagem; investigadores encontraram extração mineral


Máquina escavadeira que estava em trabalho no local (Foto: PC/Divulgação)

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu dois irmãos suspeitos de explorar e extrair ilegalmente minério de ferro em uma região montanhosa no limite dos municípios de Onça de Pitangui e Pequi. A serra, conhecida como Morro Grande, dá acesso a um ponto turístico local: o Ponto Chic.



Após receber uma denúncia anônima, uma equipe da Polícia Civil de Pará de Minas foi ao local na terça-feira (12) e descobriu a área onde a extração mineral irregular ocorria. Os investigadores também viram um caminhão carregado deixando o local.



No momento da abordagem, um homem que operava uma escavadeira apresentou aos policiais um documento da Secretaria de Meio Ambiente do Estado que autorizava uma pequena intervenção no local para formação de uma pastagem. Porém ficou constatado que a atividade exercida era, na verdade, a extração mineral.


Depois chegaram outras duas carretas que seriam carregadas com material retirado da serra, que é ambientalmente protegida.


Área onde a máquina já havia sido passada (Foto: PC/Divulgação)

Os policiais civis identificaram que o material extraído estava sendo transportado para uma planta de britagem na cidade de Itaúna, onde era separado e beneficiado, transformando-se em minério de ferro.


Dois homens, de 24 e 28 anos, proprietários do empreendimento, foram presos em flagrante pelo crime de extração mineral sem autorização, além de diversos delitos ambientais.



A perícia técnica da Polícia Civil também foi acionada e realizou os trabalhos tanto na serra onde ocorria a extração mineral ilegal quanto na planta de britagem em Itaúna, recolhendo amostras dos materiais para análise química e comparação.


Os suspeitos foram levados para o sistema prisional e toda documentação arrecadada encaminhada ao Ministério Público e à Polícia Militar de Meio Ambiente, que deverão prosseguir com a autuação administrativa e demais providências.


Com informações do "JC Notícias"




Comments


bottom of page