Buscar
  • Ricardo Welbert

Gerente de galpão com toneladas de sabão em pó falso é preso em Divinópolis

Atualizado: 16 de fev.


Coletiva da Polícia Civil concedida em Divinópolis para detalhar operação (Foto: Reprodução do Youtube)

Uma pessoa foi presa nesta terça-feira (15) e outras 30 são investigadas suspeitas de integrarem a organização criminosa que produzia sabão em pó falsificado no Centro-Oeste de Minas. A investigação estima que o bando conseguia um lucro de R$ 3 milhões. (Assista abaixo à íntegra da coletiva de imprensa da Polícia Civil)


Participe do grupo de notícias da MAIS! no WhatsApp


Como a MAIS! informou, uma operação nesta segunda-feira (14) resultou na apreensão de 300 toneladas de sabão em pó falsificado, milhares de caixas de papelão da marca OMO e equipamentos de produção em Itaúna, Divinópolis e São Gonçalo do Pará. Primeiro, a Polícia Civil estimou a carga em cerca de 200 toneladas. Hoje atualizou esse número para 300 toneladas.



De acordo com a corporação, o grupo é o mesmo que atuava em Nova Serrana e foi alvo de duas apreensões no ano passado. As investigações seguem para identificar os responsáveis pela produção - entre eles a gráfica que produzia os rótulos falsificados e a distribuição dos produtos.


O delegado Wesley de Castro explicou hoje que o grupo agia em Divinópolis e São Gonçalo do Pará é o mesmo que havia sido identificado pela polícia em apreensão ocorrida em Nova Serrana, no ano passado.


"Após a atuação da Polícia Civil e por duas vezes da Polícia Militar, essa organização deixou de atuar em Nova Serrana e se rearticulou para fazer a operação ilícita em Divinópolis e São Gonçalo do Pará, visando dificultar a atuação da polícia. Essa organização dividiu a produção em galpões distintos", explicou.

Ainda segundo o delegado, um galpão localizado em Divinópolis era utilizado como depósito do sabão em pó. Outros três galpões em São Gonçalo do Pará eram utilizados para armazenar as embalagens falsificadas e insumos, e para fazer o procedimento de colocar o sabão nas caixas.


"Esse sabão em pó vinha todo do Estado da Bahia, de uma empresa registrada. Aqui ele recebia a embalagem falsificada da marca OMO, da empresa Unilever. Então, a Policia Civil, através das investigações, conseguiu desarticular toda essa cadeia de produção inicial".

Com relação ao rótulos falsificados do sabão, a polícia disse que o material vinha do Estado de São Paulo. A empresa responsável por essa produção também é alvo de investigação.


Posição da OMO


Em nota, a empresa Unilever informou que a OMO acompanha de perto as investigações de todos os casos de falsificação dos quais é vítima e que coopera com as autoridades policiais sempre que solicitada.


A empresa enviou ainda algumas orientações de sinais que podem ajudar o consumidor a identificar casos suspeitos de falsificação de produtos.


Caixas falsificadas de OMO encontradas na investigação (Foto: Júlio César/G1)

Com informações do "G1"

16 visualizações0 comentário